terça-feira, 9 de fevereiro de 2016






16:23

Nunca me dirijo directamente a ti aqui.
Se estavas comigo na Primavera, sabes que és tu.

Acho que a música é a coisa mais bela deste mundo. Depois do Amor. Sentei-me ao piano e as notas eram tão belas. A melancolia misturada com o amor, era isso, por detrás da melodia, na própria melodia aliás. Gostava que ouvisses e visses, as mesmas paisagens, por detrás destas palavras. Sim, as palavras nunca dizem aquilo que quero dizer, aquilo que vejo, aquilo que sinto. São só metáforas atrás de metáforas, somente aproximações, é o mesmo hiato entre o conceito e a experiência. As palavras apenas anunciam, pronunciam o prenúncio, são meras pontes que te levam até à minha tentativa de retrato sinestésico.
Palavras, estandartes de tudo o que não tem palavras. Não há palavras, bem sei, mas nunca desisti de as tentar encontrar. 

Não consigo esquecer. Não quero, talvez, esquecer. Por isso escrevo. Para tentar lembrar-me do porquê de não dever esquecer. Não quero perder. Não quero morrer e renascer outra por cima da minha essência. Porque todo o passado me sustém, ainda que me roube alguns dias. Vou construir a minha filosofia sem obliterar o passado. Eu aceito tudo o que foi, e tenho apego por tudo o que foi, e isso faz-me sentir humana. Ainda anseio a transcendência, mas uma transcendência humana, seja isso o que for.

Só espero que pressintas as coisas que aconteceram e acontecem nesta solidão. Só há eu para testemunhar, mas espero que pressintas. Tudo isso, e todas as dezenas de versos em vários cadernos, que nunca leste ou lerás, porque eram palavras nuas, sem metáforas, nem círculos, nem contenções, nem edições, nem dissimulações. (Como estas)






Sem comentários:

Enviar um comentário