quinta-feira, 1 de setembro de 2016





(as ruínas-sol de ontem)

eu vi um sonho vivo
de visões fundidas

mas o tempo impele-nos ao movimento perpétuo
apenas podemos olhar brevemente para trás saudosos
sob o risco de ficarmos petrificados

olhaste. e tornaste-te estátua de sal
não olhes mais
para os destroços
e aquilo que te sussurram
não é mais que saudade, vontade de não morrer

preferiste mortos os dias e o esplendor da memória
de travo a sol e abismo e sal

porque eu sei que viste um sonho vivo
de visões fundidas
tardes espraiadas sob a Eternidade
e a juventude nua, mil flores desabrochadas

no sangue
mil flores desabrochadas

e a brisa carregada de canções, cores que não são hoje daqui
mas só dali, só ali

e enquanto escrevo torno-me de novo estátua de sal
e cada reminiscência me traça um suor de lágrima

- não olhes. não escutes as sereias de ontem
porque o que vês é somente uma ideia
do que poderia ser a vida na terra

olhaste. não olhes mais, vê :
- está tudo assim gravado em versos e melodias essenciais

- não tenhas medo que a vida nunca se esquece.
segue a voz do deus que te disse - para não olhares para trás.


*

choraste de pensar que não havia amanhã
e entretanto veio uma manhã
onde o teu corpo acordou
com fogo no coração
ardendo na esteira pressentida da Beleza
e chorando até -
a vastidão do Sentir
e do que os teus braços podiam envolver
e todo o sangue aéreo, palpitações sónicas
de novo em ti.

*





sente, sente o ímpeto que rebenta através do silêncio
e faz brotar fogo e palavras

é uma canção que nunca ouviste mas conheces

o vibrar das cordas que voa através
e aporta na fibra mais ancestral de ti

lembraste de quase tudo o que jazia latente
que tua saudade afogou tudo o resto,
para te ocupar toda a visão

Ela apenas queria uma resolução
tanto quanto tu, tão ingénua e desesperada como tu, mortal

Ela é uma criança afrontada com a dinâmica do mar
e chora sobre ele, e as suas lágrimas o perfazem

e o mar é cada vez maior
todo o tempo que não regressa parece maior que o devir

mas poderias então separar-te da Saudade?
porque eu não sei mas podia jurar-te:
- que Aqui é ainda mais vasto

e aberto a mais
do que tudo o que foi.


MF


Sem comentários:

Enviar um comentário