quinta-feira, 1 de setembro de 2016






se me tocasses o pulso verias
a palpitação de um sangue mais que humano

velado às vezes por uma sombra,
que está cá para nos obrigar
a vir à tona.

a sombra só nos quer ver abrir em flor
até ao tecto mais alto da pureza
cada recanto cego impulsionado para a luz,

-um anjo.
 nascido das farpas,do amor, da terra,
da luz, da treva.


*

se eu chorasse pergunto - se também me verias
com o coração feito de céu, e as pernas atoladas na terra

o anjo atrás do vidro fitando-me com o meu próprio rosto e corpo
o vidro inquebrável através da força
e da matéria do ar segundo a paciência e o amor

não se passou tempo nenhum, vês nos seus olhos,
nos teus,devolvidos pelo espelho dessas vezes

(e perguntas e sabes que és ainda a tua criança ou um anjo)

mas estás estranhamente deambulando,
procurando saber, se também há flores na sombra
e então se a sombra é outro tipo de luz

capaz de te unificar noutra coisa que não um anjo
e que abraça o mundo inteiro.











Sem comentários:

Enviar um comentário